Notícias

29 05 ​O mapa financeiro da sua empresa vai mostrar o melhor caminho para navegar em tempos de crise. Autor • Equipe DS Contadores Associados.

Ao pensarmos na tarefa de administrar uma empresa, uma das ferramentas mais importantes que precisamos ter em mãos é a Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) ou, simplesmente, fluxo de caixa. Com ele, o gestor consegue ter clareza das entradas e saídas da empresa aos longo dos meses, entender despesas, distribuir melhor os custos e, mais do que isso, ter uma previsibilidade de faturamento e lucratividade. O fluxo de caixa é o mapeamento estrutural da situação da empresa e a bússola empresarial para a tomada de decisões. É nele que acompanhamos de perto o resultado do negócio.

Em cenários de incertezas econômicas e grandes mudanças, como o que estamos atravessando, o fluxo de caixa ganha ainda mais destaque, tornando-se uma das principais ferramentas de gestão na crise. Ao olhar o relatório de fluxo de caixa, o empresário pode entender lições do passado que podem prepará-lo melhor para o futuro, analisando o histórico da empresa em momentos semelhantes ao que estamos vivendo. Este estudo é essencial para um novo planejamento financeiro e para decisões de mudanças de rumo do negócio.

A previsibilidade do fluxo de caixa traz clareza para o empresário entender o momento certo de buscar empréstimos, reduzir despesas, elencar caminhos alternativos para a entrada de capital e manter a operação em funcionamento. Neste caso, a consultoria financeira e contábil de especialistas torna-se crucial para o gestor fazer as escolhas mais assertivas.

“Aqui, na DS Contadores Associados, nosso time está preparado, por exemplo, para ajudar o empresário a entender as linhas de crédito que o Governo liberou durante a pandemia e selecionar as opções com taxas de juros adequadas e períodos de carência mais interessantes para iniciar o pagamento do empréstimo. Conseguimos analisar o cenário atual e relacionar tudo isso com o contexto particular dos nossos clientes. Nosso objetivo é manter a operação dos clientes em funcionamento e a saúde financeira deles o mais saudável possível.”, afirma Sergio Toledo, um dos sócios da DS Contadores Associados.

Toledo reforça que o entendimento da situação particular de cada empresa é importante. Empresas do setor de saúde, por exemplo, podem contar com financiamentos diferenciados das cooperativas médicas. Um fluxo de caixa bem feito é fundamental para ajudar a viabilizar empréstimos e a prever o momento certo de tomar tal atitude.

Outro cuidado a se tomar em momentos de crise é o de ter uma postura mais prudente até que a situação comece a ficar mais estável. Ou seja, ter o máximo de informações possíveis em mãos para agir com mais segurança. A consultoria contábil, baseada na DFC e em outros dados, ajuda a projetar com mais assertividade as movimentações financeiras das empresas e a avaliar as situações caso a caso.

De acordo com Sergio Toledo:

“Não podemos ficar esperando simplesmente qual cliente vai conseguir, no momento da crise, quitar suas obrigações. Precisamos nos antecipar e, por isso, temos que trabalhar o fluxo de caixa com realidade. Esta veracidade de informações faz muita diferença na tomada de decisão.”

Momentos de crise, por mais longos que sejam, são passageiros. Agora é a hora do empresário ter em mãos as informações do fluxo de caixa e o apoio do escritório de contabilidade para planejar as novas ações. O momento pede prudência e, ao mesmo tempo, coragem para ousar e traçar novos caminhos para o negócio. Muitas vezes, momentos de dificuldades apresentam boas oportunidades de crescimento. Por isso, é importante ter ao seu lado profissionais qualificados e parceiros com conhecimento técnico e experiência em gestão financeira e contábil.